Meu relacionamento

A carência no relacionamentoManter  um relacionamento na carência é praticamente impossível pois, mesmo que esteja sendo vivido aquilo que se agrada, nenhum dos dois  se sente realizado.

Sabemos que o relacionamento a dois é uma conquista cotidiana do outro, e isso acontece através dos carinhos, cuidados, atenção etc. Em meio a essas manifestações de carinhos pode estar incrustada a carência que, por muitas vezes, pode confundir  nossos atos como sendo atitudes de amor quando na verdade, indicam características de baixa autoestima.
Como é instintivo do ser humano, sempre queremos que nossas necessidades sejam supridas. E no relacionamento essa necessidade passa ser extrema, quando alguém aceita tudo aquilo que o outro sugere ou faz.

Num relacionamento, seja na vida afetiva, ou até mesmo na vida social, aquele que somente cede, acaba frustrado. A pessoa se desgasta emocionalmente. O carente perde a sua autenticidade, seu próprio jeito de ser e de gostar, até chegar o momento dele próprio perceber sua descaracterização – como pessoa –  ao longo do relacionamento.
São coisas simples mas que de alguma maneira transformou o jeito de ser da pessoa, depois que ela começou a viver determinado relacionamento.
Há quem seja capaz de mudar seu jeito de falar, de se vestir; a pessoa muda o gosto musical; começa a gostar da comida que outro aprecia, torce para o time da outra pessoa, etc. O carente é capaz de cancelar seus compromissos por causa do outro, entre outras coisas, acreditando que está fazendo tudo isso por amor.

Uma outra característica de alguém com baixa autoestima é de se sentir  magoada, melindrosa,somente por não ter ouvido um elogio do namorado(a) durante o dia.
A baixa autoestima pode criar problemas num relacionamento, pois essa vem sempre seguida de insegurança, ciúme e de um comportamento possessivo. A pessoa procura controlar os passos do namorado(a). Ela quer saber sobre o que ele/ela fez na sua ausência, com quem fala ao telefone,  quem são as pessoas que estão na sua rede social, etc.. tudo isso porque a sua falta de confiança a faz sentir incapaz de se garantir no relacionamento.
No entanto, manter  um relacionamento quando se está vivendo dessa maneira, é praticamente impossível, pois mesmo que, aparentemente, esteja sendo vivido aquilo que se agrada, como casal, nenhum dos dois  se sente realizado.

Não é difícil de encontrar pessoas, praticamente, desesperadas em manter seu relacionamento,  ainda que  a pessoa com quem se relaciona não a agrada. Mas a pessoa investe na relação, simplesmente por ter alguém com quem sair aos fins de semana.
Outras podem ter perdido o encanto pelo seu namorado, mas mantém o relacionamento para justificar o tempo que estão juntos.
Há ainda aquelas que usam do sexo para segurar a pessoa no relacionamento, mesmo que por muitas vezes isso acontece sem vontade, mas o aceita na tentativa de não permanecer sozinhas.
Todas essas características tem apenas um objetivo: – de preencher aquilo que parece dar sentido a sua vida!

A pessoa carente toma atitudes precipitadas no desejo de se sentir realizada emocionalmente, mesmo que seja por breves momentos, ela acumula decepções por coisas que já tinha vivido; como a má experiência de um evolvimento anterior.
Se convivemos com alguém carente, podemos ajuda-lo a crescer, através de simples atos:

1- Fazer elogios quando possível, em qualquer coisa que a pessoa tenha feito de bom. Da mesma maneira evite criticá-la, insistindo no seu erro ou naquilo que não tenha conseguido êxito.

2- Atentemos mais para as suas qualidades, conduzindo-o a experimentar a auto-confiança.

Como parte dos nossos sentimentos, podemos também perceber que somos , de alguma maneira carentes.
Uma vez identificado essa tendência precisamos  assumir alguns passos para melhorar.

1- Aumentar a nossa auto confiança e isso significa acreditar na nossa competência, na nossa habilidade para resolver nossos problemas sem nos  intimidar com a possibilidade do erro.
A auto-confiança é uma das qualidades mais atraentes que uma pessoa pode ter. E em nada ela pode ser confundida com a atitude de arrogância.

2- Tirar o foco dos pontos fracos e robustecer nossas qualidades. Tomar conhecimento sobre aquilo que já fizemos por nós mesmo em outros tempos.

Precisamos então perceber no relacionamento, se o que sentimos pela outra pessoa é amor ou insegurança da nossa parte. Pois, o amor não é algo abstrato ou uma ideia; ele é tangível a um objetivo.
Quando  alguém pergunta se é amado, na verdade, a pessoa quer saber se o outro tem interesse de colocá-la acima daquelas outras coisas, anteriormente, importantes. Mas isso não compreende o desejo egoísta de estar acima de outras pessoas ou coisas.
Na mais comuns das perguntas dos apaixonados, a pessoa procura identificar se o outro a ama, a ponto de levar a cabo aquilo que será exigido no propósito do relacionamento e que o casal estabelece como primícia, construído na cumplicidade gratuita de um para com o outro.

 

Um abraço

Dado Moura

Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *