septxt.jpg

Para os filhos, – encarar a realidade de ter seus pais vivendo em casas separadas – poderá ser um problema, tendo em vista que a referência de família e o sinônimo de proteção

Bom seria se, por todos os nossos dias, acontecessem somente coisas que tínhamos projetado viver. No entanto, toda opção contrária à nossa vontade traz para a nossa realidade o compromisso de assimilar o novo.


Podcast


É sabido que muitos casamentos correm riscos de um desfecho nada parecido com as alegrias que pensavam viver. Alguns casais diante das exigências do relacionamento, podem querer abandonar o compromisso assumido, desejando, assim, recuperar o tempo que acreditam ter perdido, saindo em busca da “felicidade” que consideram ter deixado para trás. Eles chegam a considerar a separação conjugal como a solução de seus problemas, embora tenham feito votos de viver juntos por toda a vida.

Aqueles que, anteriormente, apresentavam-se abraçados em fotografias, talvez, tenham se comportado, ao longo da vida conjugal, indiferentes ou displicentes aos cuidados e carinhos necessários para a renovação do amor, sentimento que os fez investir no casamento eterno. Por mais plausíveis que sejam as razões da separação, haverá outros traumas secundários, que implicarão na vida familiar, especialmente, quando dessa relação vieram os filhos. Pois como sabemos: “Na disputa entre o mar e o rochedo quem sofre são os mariscos”. Para os filhos, – encarar a realidade de ter seus pais vivendo em casas separadas – poderá ser um problema, tendo em vista que a referência de família e o sinônimo de proteção, que todos temos, são compostos de pai, mãe e filhos.

Muitos são os relatos de filhos que experimentaram os dissabores da ruptura do casamento de seus pais. Dúvidas surgem na cabeça deles diante dessa desagradável surpresa, pois a quem irão recorrer? Quem vai ajudá-los a solucionar os impasses e inseguranças que vão aparecer ao longo de suas vidas? Ou com quem deverão morar? (Isso, quando essa escolha lhes é permitida). Além de não poderem contar com o esteio familiar como antes, deverão fazer a difícil opção entre aqueles que por eles são igualmente amados. Tudo isso significaria colocar sobre seus os ombros uma responsabilidade muito além de suas próprias forças.

Em meio a tantas situações complicadas de se gerir, não será difícil perceber no comportamento deles [filhos] a presença do medo, sentimentos de revolta, raiva, incompreensão, desconforto, além da sensação de abandono, entre outros.

Antes que as consequências dos atos dos pais repercutam na vida daqueles que se sentem impotentes diante das dificuldades dos adultos, certamente, será importante que os cônjuges falem um ao outro o que realmente desejam e esperam como contribuição para o reaquecimento da relação. Muitas vezes, nessas ocasiões a ajuda de um profissional na área da psicologia será também de grande valia. É bom lembrar que para todo e qualquer outro relacionamento, que possam pretender viver, serão exigidos o mesmo carinho, atenção, romantismo, empenho, dedicação e a leal cumplicidade para sua perpetuação.

“Em mar revolto, marinheiros não içam velas”. Estabelecer a disposição comum em reviver as simples coisas que foram deixadas para trás, será a chave para alcançar o sucesso no casamento.

Acesse outros temas sob a mesma categoria separação

Deus abençoe a todos,

Dado Moura

Compartilhe com seus amigos!

14 Comentários

  1. helo costi

    eu escutei uma vez numa palestra da cançao nova. q o casamento q foi por outros ninteresse q nao o amor nao e valido !!por isso aconteceu minhas separaçoes..fui casada duas vezes.;. a primeira engravidei e casei por amor mas meu marido estava era sobrio!!(tive tres filhos)nosegundo era filçho de mamae e fugiu p minha casa !(tive um filho)! gtraças adeus q meus filhos se criaram muito bem.. mas tao sem o pais!! o primeiro pai tevemaais um filho e continua vagando..nunca participou da vida dos filhos.. e o segundo e participante mas nao queria saber de meus filhos e queria q nos separassemos de meus filhos inventou uma transferencia poutros estado e queria me levar..junto.. na epoca nao podia p q meu pai estava doente e a abou falecendo.. e minha mae ficou doentes e faleceu..deus sabeoq faz.. e acabamos nos sxeparando.. neste mesmo periodo ele ficou noivo p 1a. e agora pela segunda vez..!!esepero q seja feliz!!p tudo q ja passei..nan unca me senti infeliz..pq sempre amei!!e tenho quatro filhos de deus!!maravilhos. nuncame deram trabalho!!obedientes!! so tem uma q mora em sao paulo.. ela foi p la ja adulta..23anos.. rezo sempre por ela!!

  2. Olha, este é um tema super complicado de ser tratado. Existem inúmeras situações em que o melhor é a separação. Casais que se agridem fisica e verbalmente, casais que não respeitam o outro, não tem cumplicidade um com o outro e por ai vai. Enfim, são inúmeras as situações que devem ser avaliadas.

    Os filhos são os maiores prejudicados, em todos os casos. Mesmo que após a separação, venha a amizade entre o casal, os filhos sempre se sentirão desamparados.

    Estou vivendo um momento delicado na minha vida, estamos em processo de adequação do casamento, estamos fazendo terapia de casal para ver se conseguimos pelo menos conversar mais, nos comunicar melhor.

    Já pensei inúmeras vezes em voltar a ser sozinho. Entretanto, quando penso nos momentos que tenho com minha filha, fico desesperado ao pensar que não estarei presente em todos os momentos. Isso me parte o coração!

    Enfim, antigamente as mulheres arrajavam filhos para segurar a relação, ouvi inúmeras vezes que filho não segura casamento algum, de boa, acho que nossos filhos são a razão do nosso viver, tanto homem, quanto mulher.

    O que seria de nós sem os nossos filhos?

    Do outro lado, ficar insistindo numa relação onde não haja felicidade e cumplicidade entre o casal é péssimo. Cada um tem o direito de ser feliz. Mas será que a partir da separação, ao vermos nossos filhos tristes, seremos felizes? Tenho sérias dúvidas.

    Sem contar no stress de toda a burocrocia envolvida na separação, advogados, honorários, juiz tentando a reconcialiação, divisão de bens, etc, etc, etc.

    Enfim, se todos soubessemos o quanto é difícil um casamento, provavelmente não casaríamos.

    Aos solteiros, vai uma dica, vejam o que a pessoa com a qual você pretende se casar, tem um histórico familiar saudável, familia estruturada, etc. Pois a partir do momento que se casarem, todos os agregados começam a participar do casamento. Se a família é estruturada, haverá uma possibilidade do casamento ser feliz, e em muitos casos estará fadado a separação.

    Abraços,

    Fernando

  3. Bem, todos nós temos nossas opiniões sobre este assunto, temos nossas razões particulares. (E bem particulares), somos egoístas ao ponto de não enfrentarmos nossos medos e frustrações. O erro já começou a partir do momento que você casa por juras de amor; (Amor nada mais é do que respeito, dedicação, carinho, cuidado,…) diferente de paixão ( desejo, atração, fantasias, querer estar sempre junto ), ai onde nos perdemos, pois deixamos a paixão sempre falar mais alto e esquecemos de analisar se a pessoa por quem nos apaixonamos será a mesma pessoa que nos dará amor.
    Pensem bem, já houve situações onde você já descordou várias vezes de seu companheiro e geralmente se acertaram pelo fato de não querer perder a pessoa que lhe faz ver estrelas. ( Somos assim, não queremos perder nunca, ai cedemos contra nossa vontade mesmo estando certos da razão, agimos muito pela emoção), não é condenável pois somos seres humanos e se conseguirmos equilibrar a razão e a emoção seriamos perfeitos.
    Contudo, casamos e temos filhos. Ai vem a nova fase da discórdia. Pois é no primeiro filho que testamos nossa paciência e amor por alguém. E como somos diferentes uns dos outros, enxergamos diferentes todas as situações e novamente voltamos a fase em que cada um quer o que cada um quer, o que acha melhor. Cadê o amor? A paixão vai se apagando, pois difentes pontos se distânciam cada vez mais. (Lembre-se, isto não é regra e não serve para todos, mas analise a maioria e veja se você não se encaixa neste texto por algum ponto qualquer.)
    Acontece que a paritr do momento que se tem filhos, devemos esquecer que somos um só, agora somos vários para um, ( pai, amigo, educador, herói, fantasia, o cavaleiro das histórias deles), somos a principal referência de vida deste pequeno ser humano. Por ai você tira tudo que tem dentro de si e passa adiante, é ai onde você se eterniza, nas lembranças que serão passadas para frente. E por eles é necessário fazer de tudo, mas tudo mesmo, encarar até uma traiçaõ se for necessário, pois todos nós erramos, só não podemos perder definitivamente o respeito. Um erro é passível, dois é desafio para qualquer um.

    Dario.

  4. Não acredito que este texto seja de grande valia, pois tem um viés moral embutido. Sofreriam mais os filhos se vissem um casamento desintegrado em sua frente? Seus pais em contante briga, mau humor, poucos momentos de congraçamento seriam melhores ou piores do que a separação? Eu estou começando a atravessar este momento, decidindo o melhor para a relação, se vale a pena continuar casados (e sofrendo), mas vivendo com nosso filho OU seguirmos nossas vidas com energia renovada para criar nosso filho do modo mais satisfatório possível? O que precisamos nos livrar é dessa culpa derivada da moral judaico-cristã. Difícil. Bem essa é a minha opinião.

    Abraços a todos.

  5. tenho 27 anos e estou separado á um e pouco foi dificil pq qd se idealiza uma vida em comum e se trabalha para isso, sem a ajuda da outra parte é mt dificil. e o k mais me custa é ver o meu filho no meio desta situaçao. tenho tentado fazer de tudo para k ele n sofra e vou tentar estar ao lado dele sempre que ele precisar. mas continuar com uma relaão igual á minha no futuro acho que eu e ele iamos sofrer ainda mais.

  6. VALDAIR MILLIAN

    PARA SE SUPERAR AS DIFICULDADES DE UM CASAMENTO, NOS NÃO PODEMOS ESTAR ATRAZ DA FELICIDADE PESSOAL E SIM DE TODOS QUE ESTÃO ENVOLVIDOS NO CASAMENTO PRINCIPALMENTE OS FILHOS QUE NÃO FIZERAM A OPIÇÃO DE CASAR, PARA SUPERAR ESSAS DIFICULDADES TEMOS QUE CONTAR COM A FORÇA E SABEDORIA QUE DEUS NOS DÁ, POIS HUMANAMENTE NÃO SOMOS CAPAZES.E TEMOS SIM QUE SUPERAR TODAS AS DIFICULDADES E SAIRMOS VITORIOSOS DELA RESOLVENDO OS PROBLEMAS NÃO SE SEPARANDO E CRIANDO MAIS UM PROBLEMA.

  7. MARIA JOSE

    MUITO BOM SEU TEXTO , MAS QUANDO SE AMA SOZINHO NAO DA PRA MANTER UM CASAMENTO …….. E O IMPORTANTE E PROCURAR SER FELIZ PENA QUE ESSA FELICIDADE TALVEZ ESTEJA LONGE !!!!!!!! MAS NUNCA DESISTIREI DE PROCURA LA BJUS

  8. Jose Aparecido

    Gostei do texto. concordo com a Rose e gostei de saber da atitute da Ana.
    Bj & abraços a todos.

  9. Ana Beatriz

    Sabemos que muitas pessoas vivem situações insustentáveis dentro do matrimonio; sem querer aprofundar nessas razões, muitas delas poderão sinalizar o desconhecimento da cumplicidade exigida por este sacramento que serão obtidas através do empenho mutuo. Vive um casamento frustrado, atualmente estou aguardando, já separada, o parecer da igreja no processo de nulidade do meu casamento. Gostei do artigo. Abraços

    Ana Beatriz

  10. Sou fã de seu blog, mas não posso concordar. Casais só se separam quando a situação está insustentável e na maioria das vezes os filhos são os beneficiados, quando há diálogo que explique a eles a situração real, até mesmo porque são testemunhas de muto sofrimento.
    Pais que se separam de comum acordo, se transformam em amigos entre si, o que é um saldo positivo para seus frutos.

  11. Cristina Kogiso

    Na minha opinião, textos como este podem muitas vezes depositar grande carga de culpa sobre as pessoas que estão em processo de separação ou já passaram por isso. Não sou a favor das separações mas o texto pode fazer os pais sentirem-se mto culpados.

  12. Hoje tenho 27 anos, meus pais se separaram qdo eu tinha apenas 6. Até hj eu sinto pela separação deles, e sempre tenho uma sensação de não ter proteção,ñ sei se essa é a palavra correta. Espero q todos q tiver a oportunidade de ler esse texto reflitam bem

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>